REDE DE CIDADES DA CLOBAL CITIES DESIGN INITIATIVE (GDCI)

Pavimento drenante em parques, ruas e vias de circulação nas cidades

Construir e preservar o solo urbano
A Global Designing Cities Initiative (GDCI)


A publicação do Guia global do desenho de ruas é um trabalho que relata a importância dos materias e tipos de construção no desenho das cidades, a utilização de pavimento drenante e permeável, promovendo a drenagem das águas pluviais e protegendo o uso do solo e aquíferos, avaliando as necessidades e exigências para cada.

Calçadas, Tipos de calçadas, Geometria, Acessibilidade universal, Extensões de calçadas, Comunicação e engajamento.

Desenhar para ciclistas, Ciclovias protegidas em cruzamentos, Permeabilidade filtrada do pavimento, a Drenagem eficiente, promovem a qualidade de vida, mobilidade multimodal, desenvolvimento econômico, sustentabilidade ambiental e equidade.

A utilização massiva do solo nas cidades e ambiente urbano obrigam a empregar soluções alternativas que promovam a permeabilidade em pavimentos e superfícies drenantes, nas ruas, ciclovias e estacionamento de forma a minorar os efeitos da concentração de edifícios no meio urbano.

O Guia gobal do desenho de ruas um estudo inspirado pelo trabalho de 70 cidades em 40 países e 6 continentes.

 

REDE DE CIDADES DA CLOBAL CITIES DESIGN INITIATIVE

 

Fonte GDCI Publicado em 2019-08-04 06:04:07

África do Sul Cidade do Cabo Alemanha Berlin Karlsruhe Argentina Buenos Aires Austrália Gosford Melbourne Sydney Estado de Victoria Azerbaijão Baku Brasil Fortaleza Porto Alegre Rio de Janeiro São Paulo Canadá Toronto Winnipeg China Beijing Xangai Colômbia Bogotá Medellín Coreia do Sul Daegu Seul Dinamarca Copenhagen Equador Quito Escócia Glasgow Estados Unidos Baltimore Boston Connecticut Madison Malden Nova York Portland São Francisco Seattle Washington, DC Etiópia Adis Abeba Finlândia Helsinki Gana Acra Geórgia Tbilisi Grécia Atenas Haiti Cité Soleil Holanda Delft Roterdã Índia Ahmedabad Bangalore Chennai Mumbai Nova Déli Indonésia Bandung Inglaterra Ashford Londres Israel Jerusalém Kosovo Pristina Laos Vientiane México Cidade do México Monterrey Puebla Moldávia Chisinau Nova Zelândia Auckland Christchurch Wellington Peru Lima Quênia Nairóbi Quirguistão Bisqueque Rússia Moscou Singapura Singapura Suécia Gotemburgo Suíça Genebra Turquia Istambul Vietnã Cidade de Ho Chi Minh Zâmbia Kalumbila.

pavimento-drenante-GCDI

Equipe principal de projeto da GDCI Skye Duncan Diretora Ankita Chachra Gerente de projeto Abhimanyu Prakash, Fabrizio Prati

Skye Duncan Diretora da Global Designing Cities Initiative (GDCI) concentra-se no papel fundamental das ruas nos ambientes urbanos ao redor do mundo.

Em parceria com a National Association of City Transportation Officials (NACTO) e trabalhando com a Global Expert Network, a GDCI está empenhada em compartilhar as boas práticas da indústria, facilitando a mentoria entre parceiros e estimulando a comunicação constante.

A Global Design Cities Initiative - GCDI incentiva o intercâmbio de ideias para auxiliar uma variedade de parceiros a projetar ruas para promover saúde e segurança pública, qualidade de vida, mobilidade multimodal, desenvolvimento econômico, sustentabilidade ambiental e equidade.

A GDCI acredita que, trabalhando em conjunto, as cidades podem minimizar a perda de tempo e dinheiro, compartilhar aprendizados, intensificar a aplicação de boas práticas e atingir com mais eficácia suas metas e objetivos políticos.

A NACTO vê os departamentos de transporte das metrópoles como parceiros eficazes e necessários nos esforços para o transporte regional e nacional e promove seus interesses em tomadas de decisões federais. A organização facilita o intercâmbio de ideias, as percepções e boas práticas entre grandes cidades e, ao mesmo tempo, promove uma abordagem cooperativa para assuntos essenciais enfrentados por cidades e áreas metropolitanas.

Como uma coalizão entre departamentos de transporte municipais, a NACTO compromete-se com o fortalecimento de práticas de alto nível para projetos de ruas e de transporte ao desenvolver uma perspectiva comum, compartilhar dados, promover o intercâmbio entre parceiros em workshops e conferências, e a comunicação constante entre as cidades-membro.

Vias de Buenos Aires a Bangalore tornaram-se vitrines para novos desenhos que colocam as pessoas em primeiro lugar e transformam suas vias em locais seguros, atraentes e economicamente vibrantes. Inspirado pelo trabalho de 70 cidades em 40 países e seis continentes, este guia marca o próximo passo em direção à mudança da velha hierarquia viária, com projetos que salvam vidas, priorizam as pessoas e o transporte coletivo, refletem as comunidades distintas e servem melhor a todos nas ruas.

O pavimento drenante em ruas, passeios, ciclovias e estacionamento nas cidades permite a melhor utilização do solo.

Melhorar a mobilidade, conforto e eficiência, sem impermeabilizar a superficíe e mantendo o ciclo da água no meio urbano.

Informação na wikipedia sobre a permeabilidade e drenagem dos pavimentos.


Números do ciclo da água


Distribuição da água no planeta Oceanos - 97,50% Geleiras - 1,979% Águas Subterrâneas - 0,514% Rios e Lagos - 0,006% Atmosfera - 0,001%

Utilização da água no mundo70% agricultura 22% indústria 8% residências

Países com menos água per capita Kuait 10 m³ Emirados Árabes 58 m³ Unidos 66 m³ Bahamas 94 m³ Qatar 103 m³ Maldivas 113 m³ Líbia 118 m³ Arábia Saudita 129 m³ Malta 149 m³ Cingapura 179 m³ Fonte: WWAp/Unesco

Países com mais água per capita Guiana Francesa m³ Islândia m³ Guiana m³ Suriname m³ Congo m³ Papua Nova Guiné m³ Gabão m³ Ilhas Salomão m³ Canadá m³ Nova Zelândia m³ Fonte: WWAp/Unesco

Glossário
Água - Coleta de água de chuva - Valas de infiltração -Economia - Tratamento e reúso de água cinza
Esgoto - Sanitário compostável (seco) - Separação da urina - Separação das águas cinza - Tratamento descentralizado - Tanque de evapotranspiração
Processos naturais utilizados no tratamento de esgotos e purificação de água: - Sedimentação -Filtragem - Digestão da matéria orgânica por microorganismos: anaeróbia aeróbia - Absorção de nutrientes por plantas - Infiltração no solo
Sedimentação Fluxo da água
Filtragem Retém as partículas mais finas e alguns microorganismos Leito filtrante

PROCESSOS INTEGRADOS DE TRATAMENTO E DE NÃO INTERFERÊNCIA URBANA MASSIVA NO CICLO DA ÁGUA

Digestão anaeróbia da matéria orgânica Sem a presença de ar Ocorre em águas profundas, fossas sépticas, reatores anaeróbios e biodigestores Redução da carga orgânica com produção de metano (gás estufa) e gás sulfídrico (tóxico e com mal cheiro) Vantagens: baixa produção de lodo e pouca necessidade de espaço.

Digestão aeróbia da matéria orgânica Com a presença de ar 0corre em lagoas rasas e rios, no solo, na compostagem e no sanitário seco Produz CO2 Resulta em matéria orgânica estabilizada (húmus).

Absorção de nutrientes por plantas Da digestão da matéria orgânica resultam nutrientes mineralizados que podem ser absorvidos por plantas e algas (produtores primários) Metais pesados e outros minerais também podem ser absorvidos.

Infiltração no solo As camadas de solo retêm a matéria orgânica, que é digerida pelos microorganismos do solo, disponibilizando nutrientes para as plantas.

Todos esses processos podem ser combinados em sistemas integrados de tratamento e reuso dos efluentes.

Sanitário Compostável Não utiliza água. O dejeto não entra em contato com o solo ou corpos d ád água. Produz composto. Não tem cheiro.

Os resíduos são tratados pela ação a de bactérias termofílicas, que consomem 30 vezes mais carbono que nitrogênio. As fezes tem relação C/N = 16/1, por isso se adiciona serragem (rica em carbono) depois do uso.

NOTA: Muito a fazer ... devemos deixar as bactérias trabalhar descansadas, sem interferir.


Fonte: O ciclo da água

MISSÃO

Construir espaços exteriores com melhor mobilidade, conforto, sustentabilidade e menor pegada ecológica.

© ACORUS 2020
ACORUS ENGENHARIA, LDA. Via Eng. Belmiro Mendes Azevedo, 1120 | 4475-401 Maia - Portugal

icon